Como abrir uma empresa pela internet usando seu Certificado Digital

O empreendedorismo vem crescendo exponencialmente no País e os dados comprovam esta afirmação: de acordo com uma pesquisa da Agência Brasil, em 2019 mais de 2 milhões de empresas foram abertas, valor 23,1% maior do que o registrado em todo o ano de 2018. Um dos fatores que pode justificar este salto nos números foi a consolidação das Juntas Digitais, as quais, em sua maioria, tornaram único e oficial o processo de abrir empresa pela internet, por meio do Certificado Digital – o qual permite que empresário tenha o CNPJ da nova empresa em mãos em horas, dependendo da Junta e do tipo de negócio.

Neste artigo, portanto, vamos explicar o passo a passo do processo de abertura de empresa, para facilitar ainda mais a vida do empresário – principalmente os novatos no mundo do empreendedorismo ou aqueles que, até então, só tiveram a essa experiência no meio físico.

 

Entenda todo o processo de como abrir uma empresa

 

Temos certeza de que se você chegou até este conteúdo, é porque já está em vias de abrir o próprio negócio, mas não sabe qual o primeiro passo. Pois bem: depois de estudar o mercado, seu produto ou serviço e escolher seus sócios ou optar por seu o único dono, é hora de escolher o tipo de empresa que mais se encaixa em se perfil.

 

Formato Jurídico e Regime Tributário

 

Atualmente no Brasil é possível abrir um negócio como Empresário Individual – EI, Microempreendedor Individual – MEI, Empresa Individual de Responsabilidade Limitada – EIRELI e Sociedade Limitada – LTDA.

Depois de identificar em qual formato jurídico a sua empresa se encaixa (EI, MEI, EIRELI ou LTDA), é hora de identificar o regime tributário.

Uma empresa pode se encaixar no Simples Nacional (no qual você paga todos os tributos em apenas uma guia, a DAS) ou empresas com Lucro Presumido.

 

Simples Nacional

 

Neste formato, o empreendedor precisa verificar se a sua atividade está presente nas CNAEs liberadas como Simples Nacional.

 

Lucro Presumido

 

Já neste, o sistema de tributação contempla o Imposto de Renda da Pessoa Jurídica e Contribuição Social sobre Lucro Líquido.

 

Por fim, avalie o porte de sua empresa

 

Esse fator se dá única e exclusivamente por conta do seu faturamento. Ela pode ser uma microempresa, uma empresa de pequeno, médio ou grande porte. Vale lembrar que essa identificação pode ser alterada conforme a sua empresa cresce.

 

Documentos necessários

 

Depois de identificar porte, formato jurídico e tributário de sua empresa, é hora de separar os documentos necessários para realizar a sua abertura. Apesar de não ser necessária a contratação de um Contador para esta etapa, o suporte prestado por esse profissional pode ser valioso (principalmente para aqueles que estão iniciando no mundo do empreendedorismo) para ajudar a manter em dia todos os tributos legais e jurídicos.

Dito isso, os documentos necessários para abrir uma empresa são:

 

  • Comprovante de propriedade ou contrato de aluguel;
  • Cópia do último IPTU do imóvel;
  • RG e CPF de todos os sócios;
  • Comprovante de endereço de cada um dos sócios;
  • Certidão de casamento de quem possui conjugue;
  • Número de entrega do recibo do último Imposto de renda.

Agora é a vez do Contrato Social

 

Recolhidos os documentos, é hora de redigir o Contrato Social, a certidão na qual contém tudo o que você e seus sócios (se houver) pretendem fazer. Como se fosse um roteiro de sua própria empresa. Nele é preciso estar especificados:

  • a razão social da empresa,
  • seus objetivos,
  • ramo de atuação,
  • endereço da sede,
  • o valor do capital investido,
  •  número e porcentagem de cada sócio,
  • o CNAE escolhido e quais as atribuições de cada sócio.

Abrindo o CNPJ

Finalizadas essas etapas, finalmente chegou a hora de o empresário ter o tão esperado CNPJ. Para isso, ele deverá acessar o site da Junta Comercial de seu estado para solicitar a liberação do número.

Juntas Digitais

Antes este processo era vagaroso, pois demandava que o proprietário do negócio fosse pessoalmente até a Junta Comercial, enfrentasse filas e aguardasse dias para obter o número CNPJ. Agora, com as Juntas Digitais, tudo é feito on-line e com muito mais agilidade, sendo possível obter o CNPJ em menos de um dia. Como? Com o Certificado Digital, que, por garantir a autenticidade e ter validade jurídica, fez com que etapas fossem eliminadas.

 

Certificado Digital

Para a abertura de empresa nas Juntas Digitais, o Certificado Digital necessário é o e-CPF, ou Certificado de Pessoa Física. Depois de aberta a empresa e com o CNPJ cadastrado, é hora do empreendedor adquirir seu e-CNPJ, o Certificado Digital para Pessoa Jurídica que permite a emissão de notas fiscais, entregas de obrigações acessórias, entre outros.

O Certificado e-CPF somente serve para abrir uma empresa pela internet?

Não. Com o e-CPF é possível assinar documentos, enviar a declaração do Imposto de Renda com mais facilidade, se logar em sites, entre outros serviços.

O que é Razão Social?

Aqueles que pensam em se aventurar no mundo do empreendedorismo ou que já estão começando a construir o próprio negócio provavelmente já chegaram, ao menos, a imaginar que nome dariam à empresa. Afinal de contas, essa escolha é muito importante para dar a “cara”, “peso” e, também, autenticidade ao empreendimento. O que muitos novos empresários não sabem é que, na verdade, não precisam escolher um, mas, sim, dois nomes: Razão Social e o Nome Fantasia.

Neste artigo, então, vamos explicar a diferença entre os dois e mostrar a importância de se escolher a razão social com sabedoria e cautela – considerando que, muitas vezes, é comum que o dono do negócio acabe focando no nome fantasia.

 

O que é Razão Social?

 

Razão Social é, basicamente, o nome de “batismo” da empresa. Traduzindo isso para o mundo das pessoas físicas: uma mulher (fictícia) é chamada por todos, inclusive em seu ambiente de trabalho, por Carol. Mas, formalmente, ela assina como Carolina Almeida Oliveira, pois em todos os seus documentos e registos são considerados, obviamente, seu nome completo.

Então, se essa mulher fosse, na verdade, uma pessoa jurídica, “Carol” seria o Nome Fantasia e Carolina Aparecida Almeida Oliveira a Razão Social.

Sendo assim, é a Razão Social – ou Nome Comercial, Denominação Social e Firma Empresarial – que você registrará na Junta Comercial e que, consequentemente, constará em todos os documentos, como talões de cheque, papéis administrativos, Certificado Digital, contratos, escrituras etc. Por isso, o cuidado ao escolhê-la é primordial, pois, caso queira mudar o nome posteriormente, a dor de cabeça e a burocracia são certas.

 

Para que serve a Razão Social?

 

Apesar de a Razão Social não ser o nome que vai tornar o negócio conhecido pelos clientes, ela é tida como uma das formas de diferenciar uma empresa da outra. Porém, diferentemente do nome de pessoa física, ele deve ser único em âmbito estadual – uma vez que esses registros competem aos governos dos estados. Ainda utilizando o exemplo citado acima: duas pessoas podem se chamar Carolina Aparecida Almeida Oliveira, mas duas empresas não podem dividir a mesma Razão Social.

Quando feito o registro na Junta Comercial, o nome do empreendimento automaticamente fica protegido pela Lei de Propriedade Intelectual, pela Constituição Federal, pelo Código Civil Brasileiro e pela Convenção da União de Paris para assuntos da Propriedade Industrial. Copiar o nome, então, é um crime.

 

Como criar uma Razão Social?

 

  • Faça uma pesquisa pelo nome que deseja dar à sua empresa por sites de busca e redes sociais. No caso do segundo meio, muito provavelmente você encontrará apenas o Nome Fantasia, mas como, em muitos casos, a Razão Social leva pelo menos uma parte do Nome Fantasia, já é um norte para encontrar uma possível semelhança;
  • Nome escolhido? Se sim, acrescente a constituição legal de sua empresa (MEI, ME, EPP, LTDA. S/A) ao fim dele;
  • Entre no site da Junta Comercial do seu estado e faça o registro por meio do Certificado Digital e-CPF (caso o estado ainda não tenha a Junta Digital, você terá que fazer este processo presencialmente).

 

Certificado Digital

 

Quando o processo de abertura do negócio for finalizado, é hora de você adquirir o Certificado Digital e-CNPJ para se relacionar com o fisco, assinar digitalmente em nome da empresa, emitir Notas Fiscais Eletrônicas e muito mais. Para adquirir o e-CNPJ basta clicar aqui. Feita a compra, é preciso agendar o melhor dia e horário para realizar etapa de apresentação de documentos e coleta biométrica (chamada de “validação”), fazer a emissão e pronto!

Atenção: Vale ressaltar que, caso haja a necessidade de mudar a Razão Social, o Certificado irá parar de funcionar – mais uma prova de que escolher o nome com cautela é imprescindível.

E engana-se quem pensa que o Certificado Digital e-CPF, adquirido para abrir a empresa por meio da Junta Digital, não será mais utilizado. Com ele é possível assinar documentos de qualquer natureza como Pessoa Física, ter facilidades na hora de preencher e enviar a declaração do Imposto de Renda, participar de leilões da Receita Federal, solicitar a CNH Digital e ter acesso a muitos outros benefícios.

 

 

Saiba como aumentar as suas vendas com Certificado Digital

Todo empreendedor sabe que é preciso ter um bom planejamento estratégico mensal para conseguir fazer sua empresa crescer, aumentar as vendas e até mesmo ganhar mais identificação dos consumidores. Muito mais que estratégias de Marketing, saber como vender é a chave para o sucesso, especialmente em um mundo no qual se tem tudo ao alcance de um clique. Mas você sabe como aumentar as suas vendas usando o Certificado Digital? Confira:

 

 

Certificado Digital torna suas vendas online mais seguras

Entenda o mercado

 

Uma pesquisa realizada pela Compre&Confie monitorou o Varejo Digital brasileiro em 2019 e constatou que mais de 80 milhões de brasileiros realizaram ao menos uma compra online nos primeiros seis meses do anos. O número impressiona e é 35% maior do que o identificado em 2018.

O aumento das compras online indicam que o brasileiro vem perdendo o medo de comprar em e-commerce, especialmente em sites e empresas que garantem o sigilo de suas informações e dados. Afinal, muitos ainda têm medo de preencher formulários em sites que não conhecem e até mesmo de oferecerem dados bancários ou inserirem cartões de crédito para pagamento parcelado.

 

Certificado Digital para e-commerce

 

Se você nunca ouviu falar sobre o assunto, saiba que o Certificado Digital para e-commerce é como uma Assinatura Eletrônica, que protege as transações realizadas pelos usuários. Dessa maneira, a compra fica mais segura e o seu e-commerce recebe o reconhecimento dos usuários como um site confiável para inserirem suas informações pessoais e bancárias.

Ele funciona da seguinte maneira: o Certificado Digital para o comércio eletrônico possui duas chaves de segurança, uma delas é a responsável por centralizar as informações de seu emissor e realizando a transição no site de maneira sigilosa. Já a outra garante que as informações do comprador sejam encaminhadas e lidas apenas pelo vendedor.

O Certificado pode ser usado tanto no computador (site), como em aplicativos de venda e é essencial para evitar que terceiros consigam interceptar informações no processo e capturem dados pessoais de seus clientes.

 

Emissão de nota fiscal

 

Como já dissemos anteriormente, este ano a Nota Fiscal Eletrônica será obrigatória no Brasil. O NF-e é um documento digital que operação a circulação de produtos. Com ela, os produtos podem emitir e armazenar de forma digital toda a nota fiscal de suas transações.

Entre os benefícios da NF-e está a

  • Agilidade na emissão e armazenamento da nota,
  • Redução nos erros de escrituração, ganho em armazenamento (já que tudo está digitalizado na nuvem),
  • Obrigações com o Fisco unificadas e
  • Padronização em todo o processo de emissão.

Com o SSL (Secure Locket Layers) a criptografia dos dados é realizada cada vez que uma nova mensagem é inserida em seu e-commerce ou aplicativo, o que ajuda até mesmo na segurança para seus fornecedores e clientes.

Vale lembrar ainda que a empresa que usa Certificação Digital têm a validação jurídica de seus documentos, uma garantia legal que torna a assinatura de contratos de compra e venda mais seguros e ágeis.

 

Aumento das vendas? 

 

Pode ser que você ainda se questione se o Certificado Digital ajuda mesmo a aumentar as vendas. Sabemos que o brasileiro ainda compra pouco pela internet e muitas vezes não o faz porque tem medo de ter os dados “roubados”, mesmo os preços sendo mais atrativos.

Com a Certificação Digital, o seu e-commerce passa a ser um site seguro para navegação, ou seja, se torna um https. Com a facilidade de encontrar tudo online e a garantia de ter seus dados mantidos apenas na relação consumidor x empresa, a tendência é que o brasileiro passe a confiar mais nas compras online e você já sai na frente de quem ainda não usa um Certificado Digital.